8 de jun de 2017

MAYDAYS


30. “Amor”

“Si estudias, no funcionan; si usted trabaja, no estudia. Si estudias, no funcionan; si usted trabaja, no estudia” – Essa é a letra de um dos pancadões de Miami que compus; o mesmo tipo de som que se chama erradamente de “funk” no Rio de Janeiro. Sim, só tem dois versos.
É por causa do feriado dos trabalhadores que eu vou ficar com os meus bracinhos cruzados amanhã? Decerto não. Apoiei a secular greve geral da última sexta-feira, mas eu tinha uma entrevista de trabalho: um pequeno conflito de interesse e azar, me fizeram andar doze quilômetros para chegar até a empresa, seis para ir e seis para voltar.
Eu me ocupava em subempregos enquanto eu deveria estar estudando para fazer um curso superior de verdade e ter uma profissão de verdade. Isso aos dezesseis. Gênio da lâmpada, se você me desse um desejo, eu escolheria voltar no tempo trinta e três anos: tenho trinta e dois.
“Ficar com a boca fechada é melhor do que qualquer coisa que você venha a dizer”. Assim, você não é contrariado, nem oprimido, nem ignorado. “Apenas faça o que você tem que fazer até que você encontre com a morte na sua frente”. Foi o que pensei no carro da minha mãe, voltando para o shelter que tem a palavra home na parede da sala de estar. Parar com o atletismo também foi uma decisão importante assim que deitei para dormir quando cheguei. “Vai parar com o atletismo por causa daquela piranha?” foi o que eu pensei ao levantar, me referindo ao químico Antônio quem, ao contrário do que eu achava, me ajudou bastante. Não transo desde o dia treze de abril por causa do pé na bunda que levei dele. Melhor assim, dessa forma não me envolvo com esses homens, com essas piranhas, e assim evito pegar doenças sexualmente transmissíveis como o amor, por exemplo.
Postei três vezes no facebook, eu que planejava silêncio. Coloquei a roupa bem rápido porque ainda dava tempo de ir até a USP fazer um treino de salto triplo. Pois bem, com o coração partido em dois, com a coxa doendo, com o pé doendo, eu fui lá e fiz minha segunda melhor marca de treino de 2017.
A felicidade é possível.
Hoje quem vai fazer um experimento sou eu. Vou abrir umas capsulas de venlafaxina, que é um pó branco, e vou cheirar para ver o que acontece; isso acompanhado com as cervejas que meu pai comprou para mim. Ao invés de um rabo peludo de um homo sapiens macho, terei a peluda felina, a besta no meu colo.


1. “Falhas”

O experimento falhou.
Ao abrir as capsulas de venlafaxina e perceber que as bolinhas brancas não se dissolvem com o cartão de débito, eu inalei mesmo assim. Nada aconteceu. Um querido colega do esporte na USP, que cursa farmácia, sempre tão gentil, sempre tão prestativo. Ele me explicou com riqueza de detalhes a diferença da classe dos fármacos e explicou que só perdi meu tempo. No máximo cheirando ritalina e em grande quantidade eu conseguiria um efeito parecido com o da cocaína.
O efeito contrário. Sei bem já o que é isso. Ao beber as cervejas que meu pai me deu junto com muita venlafaxina, tive muitas ereções, que me fizeram ir até o famoso estabelecimento na esquina da consolação com a paulista para conseguir alguns boquetes. Consegui dois bons, gozei e temos um feitiço e uma promessa quebrada: eu vislumbrava que o químico Antônio poderia ser uma imagem, como a de Jesus, como a estátua da nossa senhora aparecida colocada no fundo do mar, próximo a uma praia das filipinas para espantar os pescadores; uma imagem que me livraria dos homens, sendo ele o último homem a me tocar. Além dos boquetes também consegui um beijo na boca, que faz bem ao coração.
Antes, liguei o hornet, marquei um encontro com um rapaz que veio de quilômetros, e saí de casa. O rapaz chegou aqui e deu com a cara na porta. Ele me ofendeu bastante no whatsapp. Esse tipo de coisa, essa irresponsabilidade momentânea é culpa da bipolaridade intensificada com o álcool. “Não quer levar refrigerante?” meu pai perguntou ontem no mercado. Eu disse “prefiro cerveja” (que faz menos mal, eu pensei). Ledo engano. A coca cola teria salvo meu dia de ontem. Ainda voltei para casa para poder ofender meu ex-namorado por e-mail e ameaçar o químico Antônio por whatsapp. Mas o tal químico é tão frio que não se incomodaria nem com isso. Hoje, acordei ás dez e meia para tomar café da manhã e contar os cadáveres. Eu não posso mais beber álcool, não posso.
As dores na coxa e no pé quase sumiram depois dos belos saltos que fiz ontem. Agora reapareceu a dor na canela e a dor na lombar voltou. Nada de novo. Sempre há uma dor nova quando se treina atletismo. O mesmo de sempre a fazer: gelo, remédio, pomada e alongamentos.
Ao tomar café da manhã, passava na TV uma reportagem que dizia que a meditação ajuda o cérebro a se estragar menos com o passar dos anos. Eu vou perguntar ao doutor Gabriel na próxima consulta.
Será que os trabalhadores conquistaram alguma coisa nesse feriado?
Eu espero conquistar um novo trabalho essa semana, para ter ocupação burocrática e não enlouquecer nessa casa, não descontar tudo no atletismo e nas pessoas. Sim, ando muito nervoso. Semana passada, no treino de atletismo, um garoto da escola politécnica lançou um disco a cinco metros do meu pé. Eu peguei o disco e esperei ele vir buscar. Mesmo sendo um garoto de 1,90m, eu disse a ele que quase me acertara com o disco, para ter mais cuidado da próxima vez e terminei dizendo para ele um sonoro “palhaço!”. Além disso, também atravessei a pista e fui brigar com o treinador dele sobre o episódio.
Ontem eu ainda tive uma pesada discussão com um cara que jogava futebol na pista de atletismo e o filhinho dele pulava no colchão de salto em altura. Eu estava com a razão, mas eu não precisava ser tão rude. Eu mandei o Breno Suleiman tomar no cu em uma competição no fim do ano passado. Breno tinha um papel importante na LAAUSP naquela ocasião. Tudo isso tem me dado uma fama de boçal naquela pista.
Se eu não tivesse tão estressado, tão louco, talvez o químico Antônio ainda poderia querer me ver. Ou não, ou apenas ele quisesse apenas três encontros sexuais de mim e nada mais, mas mesmo assim as coisas poderiam ter acabado bem e eu poderia ter ganho um “amigo”.

***

Eu sei que não sou assim
Posso melhorar
Mas não tô a fim

Preguiça que não tem fim
Eu não tô a fim
Eu não tô a fim

(Ana Luiza Pimentel) 


2. “A caixa de areia que deus me deu”

Sair do hospital universitário surdo de um ouvido porque o otorrino alega que não é uma emergência uma pessoa ficar surda de um ouvido, ser orientado a marcar uma consulta para daqui a sessenta dias, ficar surdo de um ouvido enquanto, é só uma mera gota de chorume de uma vida podre. Ter que fazer escândalo com o chefe dos otorrinos, ter de ir á ouvidoria e ser informado que minha reclamação seria respondida dentro de uma semana, uma semana surda; ter de chamar a polícia para conseguir falar com a diretoria do hospital para só assim conseguirem um “encaixe” para lavarem meu ouvido entupido na sexta-feira. Mas poupem-se desse trabalho, vocês não terão.

Tomar o ônibus circular da USP e ter de passar pela rua do arquivo da USP, onde ali bem perto, em uma vila logo no fim daquela rua, fiz amor pela última vez, me senti amado pela última vez, foi só mais uma facada no meu coração mais esburacado que uma metáfora que nem consigo pensar.

Vocês, que estragam/acabam com a vida de uma pessoa sem pensar duas vezes, sem culpa, vocês sabem quem, não preciso dar nomes.

Ter que tolerar três episódios de stress pós-traumático em um período de quatro meses, estando plenamente em um deles nesse momento, é demais para ele, coitado, o esburacado. É sempre uma gota d’água que transborda um copo, um copo cheio de uma vida inteira em que tive minha depressão grave ignorada por todos à minha volta, especialmente meus pais.

Hoje eu não consegui. Olhei para aquela caixa de areia que deus colocou ali para mim e senti nojo. Eu não quero mais praticar esportes. Eu troquei de roupa e aguentei só até o alongamento. Troquei a roupa de novo e voltei pra casa para nunca mais voltar para aquele lugar, onde nunca fui aceito, onde só fui oprimido.
Eu não quero mais estudar letras.

Eu não quero mais escrever livros. Passar meses se dedicando a um trabalho literário com tanto amor, tanta paixão, tanta dor, e ter que implorar para ser lido, para ser publicado, para existir.
Eu costumava a pensar que “tudo o que eu tenho a dizer está nos meus livros, eu não tenho mais nada a dizer”, mas meus livros não dizem nada, eu não tenho nada a dizer, só a Sheyla Smanioto tem algo a dizer. Eu sou um idiota, um lunático, que não merece nem existir.
Acontece que também acabou o fôlego para a dura batalha para publicar mais um livro. Já publiquei três. Quem leu, gostou. Muito mais gente poderia gostar, mas só a Sheyla Smanioto que é foda, só ela que merece um lugar em uma editora grande. Eu vou morrer louco, branco e pobre, igualzinho a Sylvia Plath, que era um gênio. Se isso é a “dádiva” que vocês chamam de vida, então fiquem com ela para vocês. Eu não sinto medo de punição, não estou fazendo nada de errado, não estou causando mal para ninguém. Vamos ver, vamos ver o que vai acontecer. Só sei que vocês, vocês vão ficar aqui, nesse mundo horrível, cruel e injusto.

Mamãe e papai vão ficar chateados? A Lebedeva gorducha vai ficar sem pai? Vão. Não é fácil ser um peso, ter que mandar as contas para os pais aos trinta e dois (trinta e três, se você quer saber). Se estão cansados de me ajudar, a tia Heliete é bem rica, ela pode arcar com as custas do funeral, ela pode comprar uma caixa bem bonita e cara para colocar as cinzas.

Eu fui criado para ser um bosta e me tornei um bosta. Nenhuma incoerência até aí. Eu poderia ter tido outra história se eu não fosse covarde ou ingênuo, ao cursar a primeira faculdade que me apareceu no nariz só por não ter mais nada pra fazer ou porque meu pai achou que eu não deveria cursar letras, deveria cursar algo que me desse dinheiro. Demorei oito anos para me formar em logística. Passei dez anos trabalhando nessa área sendo bastante infeliz e o principal: pobre. Escolhas erradas que fiz na vida e falta de orientação, me levaram ao dia de hoje, me levaram a este momento onde não me resta escolha, onde não há horizonte.

Eu lembrava que quando entrei em logística pensava que jamais eu me formaria, que logo eu conseguiria viver de arte. Aos dezenove, me apaixonei pelo atletismo, mas tive de abandonar o treino e a chance de me tornar um atleta de verdade pela pressão da família em me formar, por acharem que o atletismo era só mais uma das minhas loucuras. Não consegui viver de arte, não me tornei um atleta e hoje depois de dez anos trabalhando em logística, não sou um gerente e não ganho quinze mil reais por mês porque sempre tive nojo de logística, nojo do meu trabalho, nojo de todo mundo a minha volta, dessa gente de exatas, de direta, sem cultura.

O que eu sempre quis com a arte na verdade, era ser amado. Coisa que nunca consegui na minha vida. Todos os homens que me apaixonei me magoaram muito, foram muito cruéis comigo. Talvez a culpa tenha sido minha, talvez eu que não sei lidar com o amor. E não sei se quero passar o resto da vida sozinho, como decidi depois da mais recente decepção amorosa, como estou/estava fadado a.

Agora não dá mais tempo. Tempo dá, mas não tem mais fôlego para recomeçar a vida agora. Estou velho e cansado.

Vou gastar o resto do fôlego para ficar em casa amanhã assistindo ás nove horas do “Melancholia” do Lav Diaz, que o Mateus Oazen gravou para mim há meses e nunca consegui assistir.   


3. “Rússia”

Não sei se é a minha bipolaridade em sua maior plenitude ou se é o fio da esperança, a microfotografia de um virião do vírus ebola, que nos mantem vivos; ou se é a leitura que estava fazendo ontem do meu mais recente livro, onde há uma parte que diz que não faz sentido se matar por causa de um amor não correspondido, por mais que ele seja a gota d’água que transbordou meu copo. Há ainda, a imagem da lenha, da lenha que tenho pra queimar. Creio ainda, que “há algo a fazer”, “há algo por vir”, por menor que seja. Desisti do suicídio como Marion Crane desiste no meio do caminho e decide voltar e devolver o dinheiro em “Psicose” do Hitchcock. Eu pretendia me jogar do alto do shopping Santa Cruz na quinta-feira ás 10h30 da manhã ou ás 09h30 da noite. Por hora, desisti. Acordei ainda com a pequena desconfiança (que prefiro não chamar de fé), de que a gata me protege de alguma forma, que ela tem algum poder consigo, que enquanto ela estiver aqui, estou protegido.

Mensagem da gerente de RH para mim ontem de manhã:

Olá Hugo, tudo bem?

Agradecemos muito seu interesse e participação em nosso processo seletivo. 
Para a vaga a qual você estava concorrendo, optamos por outro candidato. 

Boa sorte na sua procura e ficaremos na torcida!

Minha resposta para ela ontem á noite:

Boa noite.

Agradeço a decência do retorno.

Não faz mal, é apenas mais uma das muitas decepções e fracassos que tenho tido. Talvez seja melhor eu voltar para a casa do meu pai aos 33 e ser sustentado por ele, já que eu não sirvo mais para o mercado de trabalho. Fique na torcida para eu conseguir lidar com isso, não pela "procura". Espero que a pessoa que vocês escolheram dê o retorno que vocês esperam.

Obrigado.

A réplica dela hoje de manhã:

Olá Hugo, 

Pode ter certeza que vai dar tudo certo, pessoalmente falando, você tem um ótimo perfil. O que pontuamos é que justamente seu perfil é muito desejado pelo mercado. 

Obrigada pelas considerações e desejo muito sucesso!

Acordei e desci para tomar café da manhã, para colocar roupa para lavar, para trocar a areia da gata.
Sim, voltei à USP. Voltei para aquela pista. Fiz musculação. Fiz um salto em distância de 5,75m na mesma caixa que olhei com nojo ontem. Depois, após uma intensa briga via facebook por causa de uma menina mimada, do mau, a equipe de atletismo da FFLCH oficialmente me expulsou (agora que não vou mais me matar nem morto! por pirraça, pois se eu o fizer, irão achar que foi por eles). Nada é perfeito. Estou verificando com a LAAUSP se eu posso competir a copa USP, daqui a duas semanas, de forma avulsa. Estou me sentindo a Rússia. Vou continuar treinando, claro. Se eu não puder mesmo competir no universitário pela FFLCH, eu seguirei competindo no máster.
Antes do treino, uma moça do RH de uma empresa em que já fiz todo o processo seletivo, me chamou para “bater um papo” amanhã. Desconfio que eu vou ter uma notícia boa...


4. “Jesus gato”

Como você se sente em relação a recusa do químico Antônio?
Bem.
E quanto a sua libido? Você já tem intenções de fazer amor com outro homem?
Não.
Lembra-se da relação da imagem do químico com a de Jesus? Jesus não salva, você está vendo? Homens são como empresas, te convidam para um processo seletivo, você vai lá uma, duas, três vezes e no final eles dizem que você não serve. É a lei da selva.
Não veio a boa notícia que eu esperava. Ao ir hoje á tarde até a multinacional alemã na qual já fiz diversas etapas, quiseram me testar mais uma vez (Eu pensei que iam já me informar que fui aprovado e formalizar a proposta). Entrevistas cansam tanto minha mente que o cansaço passa para o meu corpo. Ainda daria tempo de descer para a USP e treinar lançamento do dardo, mas tudo o que eu queria era um Laka branco com Oreo e uma coca cola, e deitar na cama. Bem, a parte boa é que me saí bem novamente e espero não ser rejeitado mais uma vez. Amanhã, sexta-feira, é o último dia para eu ter uma resposta positiva, um trabalho; do contrário, meu pai vai vir buscar minhas coisas no fim de semana, pois ele não vai mais pagar meu aluguel e. Por incrível que pareça, estou otimista, acho que vou receber um sim ou dos alemães ou dos japoneses, a quem também aguardo um retorno. Meu pai vai ficar feliz e me dar dinheiro para competir no TUNA domingo (eu já estava inscrito antes de ser expulso da equipe, portanto posso competir, e muita gente na equipe vai ficar puta com isso; e vou competir de preto, não vou vestir o uniforme laranja, e então vou fazer publicações provocativas no facebook, diretamente a menina mimada que arquitetou minha expulsão e para a feminazi gorda que me chamou de “babaca machista”). 


5. “Pernas”



Hoje saem as respostas dos trabalhos. Ou não saem. É tão difícil esperar. Escrevi de caneta no pulso o número 11,61m. É o objetivo do treino de salto triplo logo mais. A tensão da espera da resposta não vai me deixar em paz, ou me deixar sair de casa antes das 18h00. Triste ou feliz, eu descerei para saltar, minhas pernas estão fortes.


Pouco antes de chegar á pista para o treino, recebi a notícia de que fui contratado pelos alemães. Mamãe vai pagar o TUNA de presente para mim, ficou aliviada e feliz. Minhas pernas fortes me proporcionaram um excelente aquecimento para fazer os saltos triplos de hoje, elas só não puderam com... a chuva. Nenhum dia é perfeito. Quando eu estava terminando o aquecimento, pronto para saltar, desabou um temporal na universidade. Eram as bruxas. As mulheres bruxas. Elas, em forma de massa preta molhada, uma massa pesada. Elas trouxeram trovões e eles, os homens, apagaram as luzes com medo dos raios. Conversei com o treinador e ele disse que é ok eu voltar amanhã cedinho e fazer dois saltos mesmo um dia antes da competição, que não vai atrapalhar. De qualquer forma eu iria para acertar meu lançamento de dardo que também não consegui essa semana.  


7. “Um sonho de treze metros e um sonho de um metro e oitenta e dois”

A vida é triste. E eu quero que seja. Mesmo com o brilho do sol da manhã de segunda-feira. O inverno não é uma desculpa, ou um fator. São duas da tarde e já estou com fome. Tomei café da manhã ás dez e. É difícil escrever poeticamente um diário, ou simplesmente escrever um diário se você não vai acabar em uma câmara de gás ou morrer de tifo em um dia desconhecido em Auschwitz. Ninguém liga para os seus dias quando você não é nada.

Quis dizer que a vida se tornou ainda mais triste na última sexta-feira por causa de uma coisa que eu fiz. Um problema que estava resolvido ou meio resolvido, não sei, mas é sobre um homem. E eu sinto vergonha de falar detalhes. O saldo é que não quero homem nenhum a não ser ele. Eu sou só uma foda para ele, eu sei. Ele não me quer para nada além disso. Eu poderia usar a metáfora da borboleta presa em uma teia de aranha, mas a aranha sou eu, e a borboleta está livre.

E é por isso que a vida é triste, mais triste dia menos triste outro, mas ela é sempre triste, porque você não pode ser quem você quer ser, você não pode ter o que você quer ter e pior: você não pode apagar o que você é e o que você fez. E ainda pior: você dificilmente, bem dificilmente mudará.

Eu queria ir para casa ontem depois de competir com aquelas crianças ricas na minha primeira competição universitária de atletismo do ano. Não pude, pois tive de ir direto para a casa dos meus pais para pegar dinheiro e comida. Os dias de maio tem sido difíceis e o resto de maio e o mês de Junho serão menos, mais ainda difíceis. Um belo salto triplo de 11,55m foi o melhor que pude fazer, sem um técnico para me acompanhar, contando com a generosidade de um dos treinadores da equipe da medicina da USP para me orientar e me dizer o quanto eu poderia ser um triplista melhor, que eu poderia saltar 13,00m se eu tivesse um treinamento adequado. Isso me faz feliz e triste ao mesmo tempo. Tentei depois me dividir em dois competindo no salto em distância e no lançamento do dardo e tudo que consegui foi ter de aturar um grupo de garotas da ECA rindo de mim. Quando saltei 5,80m no bife do ano passado e ganhei uma medalha derrotando os medíocres atletas da ECA, não ri de ninguém, não desrespeitei ninguém. Hoje, terei um encontro com alguns membros da FFLCH para saber se serei expulso ou não da equipe. Se me manterem no time vou encontrar as garotas da ECA no próximo fim de semana na copa USP e talvez eu é que saia rindo. A vida é assim. Um dia você ri, outro dia você chora, mas. Aquelas adolescentes, estudantes de “comunicação” e “artes” não deveriam se comportar assim. Que tipo de profissionais elas vão se tornar? Bem, isso é problema delas, e eu desejo o pior.


8. “Just kids”

Eu queria falar sobre literatura hoje, mas hoje é dia de falar de golpe, dias de golpe:

São Paulo, 10 de maio de 2017.

Eu, Hugo Guimarães, estou escrevendo essa carta por não ter a menor condição psicológica de estar presente nessa assembleia. Como alguns devem saber, tenho depressão grave, transtorno bipolar e nesse momento passo por um episódio de mania somado a um episódio de stress pós-traumático. Muitos de vocês não devem saber o que é isso, mas o tio Alan pode explicar caso tenham dúvidas.
O treino de atletismo é parte do meu tratamento para a depressão e não faz sentido treinar sem competir.
O estado em que me encontro me leva a ser impulsivo e explosivo, dizendo coisas que me arrependo depois, fazendo coisas que me arrependo depois (Isso, atrás de um computador ou de um celular). Esse estado me levou no dia do último bixusp a agredir a vaca com a palavra “vaca” através de um grupo de whatsapp. Voltávamos de um bar após a comemoração do excelente desempenho da equipe quando mandei essa mensagem, eu estava alcoolizado.
Nada do que foi exposto acima justifica a agressão, mas explica.
Devido a isso, fui excluído de todos os meios de comunicação da equipe (grupos do facebook e whatsapp).
Eu reunião nessa segunda-feira com alguns membros da equipe (Bicha oca, Vini, Lucas e Tio Alan), expus o momento que estou passando. Ao racionar melhor, concluí que é mesmo melhor eu não estar em nenhuma dessas plataformas de comunicação da equipe, pois é justamente lá que os atritos, desavenças e agressões acontecem. Na pista, no treino, cara a cara, nunca houve nenhum atrito ou desentendimento nem da minha parte, nem da vaca, nem da feminazi gorda. No treino, eu simplesmente cumprimento quem tenho que cumprimentar e me concentro no treino, pois sou muito esforçado e dedicado, não há tempo para brigas, não há tempo para agredir ninguém.
A minha sugestão na reunião foi justamente essa para evitarmos problemas daqui para frente: eu não participar dos meios de comunicação da equipe. Assim eu posso continuar treinando, competindo e trazendo resultado para a equipe como sempre fiz. A copa USP é dia 13 de maio e estou pronto para competir, e em boa forma.
Agora quero comentar sobre essa assembleia e a punição que está sendo pleiteada pela vaca e pela feminazi gorda. A minha reação ás provocações da vaca no whatsapp (que vem de longa data) foi totalmente desproporcional ao agredi-la verbalmente via whatsapp como fiz. Porém, a punição de desvinculação da atlética por tê-la chamado de “vaca” também é totalmente desproporcional, é extrema e é injusta, me impede de treinar e competir pela FFLCH em qualquer modalidade. Consultem a consciência de vocês antes tomar a decisão.
Além disso, venho desenvolvendo um trabalho que está em evolução. Sou atleta da seleção da USP no lançamento do dardo. Dos dez atletas convocados só três estão aptos a competir, contando comigo. Uns se formaram e outros não estão treinando. Portanto, uma convocação para representar a seleção na FUPE no próximo dia 28 é bem possível. No último dia 07 de maio, fui o único atleta da FFLCH a competir no TUNA (competição de atletismo mais forte que a FFLCH compete). Fiquei em sexto lugar no salto triplo na competição e fiz a quinta melhor marca da USP em 2017, e a marca que fiz já é suficiente para eu estar na convocação do ano que vem. Inclusive, quero salientar que nosso treinador raramente nos acompanha nas competições. No TUNA, eu fui gentilmente orientado por um dos treinadores da medicina, que me disse que eu tenho potencial para fazer muito mais caso tenha um treinador melhor (isso é para a equipe de atletismo inteira pensar). Os resultados que tenho obtido são fruto de muito treino e esforço da minha parte (90% dos meus treinos de salto eu faço sozinho, pois os técnicos quase nunca vão até a caixa de areia observar os saltadores). Nossos técnicos são fracos e temos problemas de gestão na equipe desde que entrei nela em 2014. Todo o meu esforço individual estará sendo jogado fora dependendo do resultado dessa assembleia.
Agora eu quero falar sobre a parte política. Em 2015, quando a vaca era DM da equipe de atletismo, nós passamos o ano inteirinho brigando no whatsapp por eu divergir da gestão dela, mas nunca, repito NUNCA ela me chamou de machista ou de misógino. Esse tipo de acusação a minha pessoa começou a acontecer no ano passado quando a feminazi gorda, um feminista extremista, entrou na equipe. A feminazi gorda foi a DM em 2016 e eu também divergia da gestão dela, mas ao invés de argumentar sobre o que estava sendo questionado, ela achou mais fácil me acusar de misógino e machista ao invés de reconhecer as falhas de sua gestão. Uma atitude de vitimização que sempre fui contra. Eu, que sou um homem assumidamente gay e ativista, que dou a cara para bater na sociedade tanto quanto ela e há muito mais tempo, pois sou dez anos mais velho do que ela, sempre fui contra esse tipo de atitude. É desonesto eu acusar uma pessoa de homofobia porque ela me critica, discorda ou apenas não gosta de mim. É “feio” eu sair acusando pessoas de homofobia em qualquer situação em que eu me sinta prejudicado.
Creio veemente que essa assembleia está acontecendo principalmente por causa de uma campanha política promovida pela feminazi gorda. Como se me expulsar da atlética fosse uma “vitória feminista” contra um “babaca machista” (que é a forma que ela costuma se referir a minha pessoa). Só que tem o parágrafo acima, eu também pertenço a uma parcela oprimida da sociedade, nós devíamos nos unir, não um tentar destruir o outro como está tentando se fazer aqui.
Na reunião com os meninos segunda-feira, eles me informaram que a equipe acha por bem eu me afastar também pelo meu próprio bem, para eu me tratar dos problemas psicológicos que tenho. Expliquei para o tio Alan que me trato desde os 14 anos e provavelmente vou me tratar para sempre, e me tirar do atletismo só vai piorar a minha situação, não ajudar.
Aceitando estar permanente fora dos meios de comunicação da equipe, eu me comprometo a não causar mais nenhum transtorno (mesmo porque só nos veríamos na pista daqui pra frente e nela, nunca causei nenhum problema). E não é desonesto eu me retratar mais uma vez dizendo que tenho consciência que não se deve chamar uma mulher de “vaca” e o fiz em momento de descontrole. Também quero deixar claro que estou longe da misoginia, tenho várias amigas mulheres na equipe. Esse começo de ano eu deixei de fazer coisas pessoais para vir treinar a nossa bixete Helga no salto em distância com a maior boa vontade. Helga ganhou a medalha de ouro no salto em distância no bixusp e começamos uma amizade.
Por fim, antes de tomar a decisão final questionem a vocês mesmos se vocês são de humanas, se vocês são pessoas da FFLCH ou se vocês são iguais a grande parte da sociedade de direta brasileira (um grupo de golpistas).


Hugo Rodrigo Guimarães
Nº USP 8972570
Atleta da FFLCH
Atleta da seleção da Laausp


9. “Coração de um cachorro”

Tive uma sensação estranha hoje, que me levou a lavar o reto, me levou a cortar as unhas do pé depois do banho. Vesti bem para ir ao treino. Essa sensação era de que hoje eu não precisaria de clonazepam para dormir, que eu dormiria abraçado com um homem. Mas não.
Eu sou um homem ou eu sou um cachorro? Eu tenho o coração de um cachorro ou eu só ajo como um cachorro? Será que é por isso que eu gosto de usar coleira? Eu não passo de um cão sem dono.

A única alegria do dia foi ter feito um salto triplo de 11,57m, dois centímetros a mais do que na competição do último domingo (what a feel...). A marca deu-se em um experimento de uma corrida maior e mais rápida. Fiz a marca após musculação de pernas e treino de salto em distância. Quinta-feira será de fato o treino dedicado inteiramente ao salto triplo e acho que terei mais uma trivial, insignificante notícia boa para dar.
Fez tempo bom hoje. Terminei em cima de um colchonete fazendo abdominais olhando para o céu, que tinha uma estrela e uma lâmpada.

Eu tinha, eu tenho notícias da literatura, mas nada se compara a lâmpada e eu.

10. “The bullshit”

Quer apostar uma coisa? Não terei sequer um dia feliz no mês de maio. Se eu perder a aposta lhe dou um doce. Vou poder lhe dar um doce, pois vou receber meu primeiro meio salário dos alemães quando este mês acabar. Se eu ganhar a aposta, você me dá um doce.
Vou ter de ir. Vou ter de enfrentá-los. Embora eu tenha evitado pessoas. Eu prefiro vir andando da universidade até a estação do metrô para evitar tomar o ônibus circular que me deixa na estação, para evitar contato.
Notícias da literatura? Bullshit. Bullshit.
We’ll see
We’ll see
If bullshit will
Become a tree.

11. “Black is the new orange”

Hoje é o dia do meu julgamento. Haverá uma assembleia na atlética da faculdade de filosofia, letras e ciências humanas para decidir se vão me expulsar dela ou não. Se eu for expulso, não poderei mais treinar e competir em nenhum esporte na esfera universitária. Mesmo assim, ao invés de ficar chorando na cama, eu treinei essa semana normalmente, treinei frio com um autêntico russo. Saltei 11,57m na terça-feira e hoje, quinta-feira, desço daqui a pouquinho para a pista, no mesmo dia do julgamento, para fazer meu último treino de salto triplo para a copa USP que acontecerá sábado, que competirei caso eu seja absolvido hoje. Já escrevi de caneta a marca 11,78m no meu pulso, que eu pretendo hoje no treino, mesmo com razoáveis dores no pé direito e no joelho esquerdo.

Mateus Oazen, como explicar sua doçura? Converteu para a mim em MP3, para eu ouvir bem alto no meu aparelho de som, a música “Não to a fim” do Drosófila, banda que a autora, Ana Luiza Pimentel me enviou em arquivo WAV pelo facebook. Aliás, eu fiz uma versão pessoal da letra e que. Assim que eu aprender a tocar a música no violão, eu vou cantar com a minha versão:

“Não tô a fim”                                              “Não tô a fim”
(Ana Luiza Pimentel)                                  (Versão: Hugo Guimarães)

Eu sei que não sou assim                             Eu sei que não sou assim
Posso melhorar                                            Posso melhorar
Mas não to a fim                                          Mas não to a fim

Preguiça que não tem fim                           Preguiça que não tem fim
Eu não tô a fim                                            Eu não tô a fim
Eu não tô a fim                                            Eu não tô a fim

Bebi todo o café                                           Bebi todo o café
Que se pode beber                                       Que se pode beber
Quero viver da falta                                    Quero viver da falta
Do que fazer                                                Do que fazer

Acordo e assisto a TV                                  Agora assisto a TV
E penso em você                                           E penso em você
Mas não to a fim                                          Mas não to a fim

Frases bobas                                                 Frases bobas
Rimas tolas                                                   E mas-           
Não to a fim                                                  turbação, to a fim

Bebi todo o café                                           Bebi todo o café
Que se pode beber                                       Que se pode beber
Quero viver da falta                                    Quero viver da Paula
Do que fazer                                                 Do que fazer

Eu não tô a fim                                            Quero viver da barba
Eu não tô a fim                                            Do que fazer
Eu não tô a fim
                                                                       Eu não tô a fim
Eu não tô a fim                                                        Eu não tô a fim

12h47
Papai vai ficar em casa hoje, Lebedeva.

Mensagem que postei no grupo de whatsapp da seleção de atletismo da USP:

Bom dia. Quero trazer ao conhecimento de vocês que a atlética da FFLCH me proibiu de competir na copa USP no próximo sábado. Haveria hoje uma assembleia para me desvincular da atlética, mas a mesma foi adiada para semana que vem. Mesmo assim, a atlética me proibiu de competir. O motivo da denúncia da minha desvinculação é de uma feminista que me acusa de machismo e misoginia. Sim, na atlética da FFLCH se faz mais política que esporte, por isso que nossa equipe nunca evolui. Estou extremamente decepcionado por estar preparado e em boa forma para competir. Não importa quantos de vocês se importam com isso ou não, mas acho importante levar ao conhecimento de todos que coisas assim acontecem no esporte da USP.

Ai, ai... O que mais me entristeceu foi o trabalho de apagar todas as fotos do meu facebook com a regata de atletismo da FFLCH. Eu já andava desanimado com o curso de letras mesmo... Vou prestar fuvest no fim do ano. Ainda estou indeciso entre editoração e geologia.

E pensar que hoje de manhã ainda recusei um almoço com a minha mãe porque disse que ia “descer para treinar para a copa USP”. Que bela merda, não?

Os meus 11,78m vão ficar para domingo... Até lá meu pé e meu joelho estarão melhores. Estou cuidando direitinho deles. A vida no atletismo não acaba aqui. Tenho as competições no máster. Tem a minha volta para o universitário no ano que vem. Haverá cores novas no ano que vem.


12.

Antidepressivos não fazem milagres... Ao ficar em casa o dia todo ontem, papai não conseguiu fazer a musculação de superiores com os pesos que tem em casa, papai não conseguiu aplicar gelo no joelho e no pé mais duas vezes no dia, papai não conseguiu nem levantar da cama para tomar banho. Estar apaixonado por um homem que não está nem aí para mim e ainda ser expulso da equipe de atletismo como se eu fosse um monstro, tudo isso de uma vez, não é fácil aguentar. Não dá pra ser forte o tempo inteiro.

Hoje, outra manhã ensolarada. Fui fazer o exame médico para estar apto para trabalhar para os alemães. Vim para a casa do meu pai para buscar ajuda para passar a semana, e para levar parte das minhas coisas de volta para o shelter na Vila Mariana, onde tem a palavra “home” na parede da sala. Coisas que eu tinha trazido para cá quando não tinha mais expectativa de trabalho e estava certo que eu viria embora para a casa de mamãe.

Vamos de carro levar as coisas ás dez da noite, quando mamãe chegar do trabalho. Daí sim, vou fazer a musculação de superiores. Amanhã vou correr no Ibirapuera enquanto a incompetente equipe da FFLCH deve fazer uma insignificante participação da copa USP. Vou correr e fazer alguns exercícios de fortalecimento de pernas. Domingo, um dia depois da copa, estarei lá na mesma pista treinando para minha próxima competição. Vou lá fazer o meu salto triplo de 11,78m que estava marcado para quinta-feira, quando recebi a notícia do golpe. Ainda há o máster para eu competir, há os treinos e as competições da seleção da USP, a qual haverá uma reunião para decidirem se posso ou não (decerto a LAAUSP é mais justa e imparcial que aquelas feministas mimadas e gordas da FFLCH). O presidente da atlética da FFLCH parece que é o Mario (que a feminazi gorda pegou atrás do armário), isso explica um pouco da influência daquela gordinha feia por lá... Além dessas competições que posso participar fora da atlética da FFLCH, essa feminazi gorda e esses golpistas vão ter uma surpresinha logo mais...


13. “Vida oca”

Seis dias. Para quem tem fome parecem sessenta. Para ele parecem seis minutos.

Vou dizer um segredo. Na última sexta-feira dia 05, passei uma mensagem para o químico Antônio, acompanhada das minhas belas pernas, eu disse que elas poderiam ser dele de novo se as quisesse. Ele poderia ter me ignorado, ficaria tudo bem, tudo do mesmo jeito, mas não.
QA: ???
QA: No fim das contas você está me odiando ou não?
Eu: No fim das contas eu sou bipolar, Antonio. Não sei se você percebeu.
Eu: Não, não estou te odiando
Eu: Pelo contrário
Eu: Te acho incrível
QA: (Emoji de estranheza)
QA: Eu gosto de ficar com você, Hugo
QA: Mas fico chateado (até comigo mesmo, na verdade) por não conseguir te dar a atenção que você merece
QA: Não é por falta de esforço minha, mas eu ás vezes não consigo mesmo
QA: Ou eu esqueço
QA: (O que acontece quando eu me concentro muito numa coisa) [O mestrado]
Eu: Não precisa se justificar, gatão. Eu estava estressado e acabei descontando em muita gente perto de mim, inclusive você
Eu: Te falei um monte de coisa nada a ver
Eu: E peço desculpas de novo
Eu: Mas agora devo ter menos tempo para confusão
Eu: Os alemães me contrataram hoje (emoji de alegria)
Eu: Isso tirou um peso das minhas costas
Eu: Vamos fazer o seguinte? Estou sempre na universidade, quando você quiser me ver, você me dá um toque
Eu: Assim eu não fico te pressionando
Eu: Pode ser?
QA: Pooode
Eu: Ótimo, melhor assim
QA: E parabéns pelo novo emprego
Eu: Obrigado!! Estou super feliz
QA: (Três emojis de palmas)
Eu: Espero que esteja tudo bem com o seu mestrado (emoji da carinha sorrindo envergonhada)
QA: Mais ou menos
QA: Estou escrevendo meu relatório, ao mesmo tempo vou começar na segunda-feira uma disciplina intensiva.
Eu: Naquele dia no laboratório deu para perceber o quanto você é esforçado, concentrado e faz o que gosta.
Eu: Isso é o mais importante
QA: (Emoji da carinha sorrindo envergonhada)
Eu: Gatão, vim mesmo para dar um oi (além de mostrar que minhas pernas estão crescendo mais). Acordo cedinho para treinar amanhã porque compito domingo.
Eu: Bjão
Eu: Boa noite, durma bem
QA: Ahah, estão ótimas, aliás
Eu: (Emoji com a carinha safada com a língua para fora)
Eu: Obrigado hehe
QA: Bom treino pra você
QA: E bom descanso
QA: Saudade delas (das pernas)
Eu: Obrigado, Gatão
QA: E do resto também (do corpo)
Eu: Eu também
Eu: Você podendo, me dá um toque
Eu: Que a gente mata essa saudade
Eu: (Emoji piscando o olho)
QA: Sim senhor.

Domingo dia 07, dois dias depois, eu incomodo o químico Antônio novamente:
Eu: Oi
Eu: Tudo bem?
Eu: (Emoji da carinha sorrindo envergonhada)
QA: Olá,
QA: Tudo bem sim
QA: E com o senhor?
Eu: Cansado da competição, mas bem.
QA: Ah, que bom [Ele não pergunta como foi a competição]
QA: Eu estou no laboratório, tirando foto no microscópio e querendo morrer haha
Eu: Nossa, pq??
Eu: Rsrs
Eu: (Fora o fato de ser domingo e você deveria estar de folga, claro)
QA: Começo uma disciplina intensiva amanhã que vai ser o mês todo
QA: E preciso tirar as fotos da lâmina logo
QA: Não vou ter tempo durante a semana
Eu: Ah, entendi
Eu: Mas não morra não tá?
Eu: É muito desperdício um homão lindo morrer
Eu: Passei só pra dar um oi, gatão
Eu: Concentra aí
Eu: Me dá um oi quando tiver sossegado, pra eu saber que você lembra de mim (emoji da carinha sorrindo envergonhada) [Não pedi para ele me ver, apenas me dar um “oi”, ou seja, digitar com o dedo duas vezes no celular]

O químico Antonio demora muito para visualizar a mensagem e não responde mais. Isso foi há seis dias atrás. Ele não me passou nenhum “oi” e eu também não, partindo do princípio que o interesse deve partir dos dois lados.

Seis dias. Para quem tem fome parecem sessenta. Para ele parecem seis minutos.

Maneiras de analisar os diálogos mostrados acima:

1. Ele não quer me ver nunca mais e apenas me respondeu e foi fofinho porque acha que sou louco, que vou invadir o laboratório e bater nele. E depois simplesmente silenciou, para que eu raciocinasse e me tocasse de uma vez por todas que ele não me quer.

2. Ele ainda quer me manter na lista de suas fodas possíveis porque modéstia á parte eu sou bem bonitinho, bem gostosinho e sou bom de cama. Mas devem ter outros na fila e por isso a minha próxima vez deve estar demorando. A última vez que nos vemos foi dia treze de abril. Não, um homem bonito como ele, inteligente como ele, fofo como ele, bem dotado como ele, não fica um mês sem trepar, não me venha com essa.

3. Ele é a pessoa mais dedicada aos estudos de todo o mundo, ainda quer “ficar” comigo, mas realmente só o fará quando tiver “tempo”. [Porém quando nos conhecemos ele saiu do laboratório no horário de janta para trepar comigo no vestiário depois do meu treino. Gozamos em quinze minutos e ele voltou para o laboratório. No segundo encontro, encontrei com ele uma hora depois do combinado, na casa dele, e ele me esperou pacientemente. Ficamos na cama por aproximadamente uma hora e depois que fui embora, ele voltou aos estudos normalmente. No terceiro encontro, quando ele me convidou para dormir com ele, ele atrasou muito os experimentos no laboratório. Resultado: ele me chamou para ficar no laboratório com ele. Ficamos lá até uma da manhã e fomos dormir na casa dele. Depois disso, ele nunca mais foi o mesmo. Marcamos um encontro na casa dele dez dias depois. Ele desmarcou no dia, dizendo que estava com a amídala inflamada. Daí eu explodi e disse a ele um caminhão de descontentamentos. Creio que aconteceu algo que ele não gostou no nosso último encontro e ele não quer dizer o que foi]

Morrerei sem saber.

Eu, que estou envolvido no caso, e apaixonado por ele, não consigo assinalar nenhuma das alternativas acima. Só tenho dúvidas, saudade e fome.

Elsewhere 1#

Acordei em uma tarde ensolarada em São Paulo, mas coloquei “Winter” da Tori Amos pra tocar.
Acordei ás 01h00 da tarde porque fui mesmo proibido de competir a copa USP pela atlética da FFLCH. Falei um monte para o diretor de modalidade da equipe (que é um fofo, coitado, não tem culpa nenhuma), eu disse que já levei o caso para a LAAUSP e se eles não fizerem nada, vou levar o caso para a FUPE, se não fizerem nada vou levar para a NASA, e que estou pensando seriamente em processar a atlética da FFLCH por danos morais. A querida Verônica Grether, da AL QAEDA está verificando se mesmo dada esta situação, eu posso treinar e competir pela seleção da AL QAEDA. Ela disse que esse é um caso sem precedentes (um atleta normalmente vinculado com a atlética sendo proibido de competir) [Eu poderia ter competido, pois a assembleia que julgaria minha desvinculação foi adiada para a semana depois da copa AL QAEDA]. Isso será discutido em reunião com os representantes de todas as atléticas e creio que as coisas tendem a melhorar para o meu lado.

Uma bicha oca:

A bicha oca, o homem gay mais afeminado do atletismo de toda a AL QAEDA, que treina pouco e quando vai treinar, só vai treinar para caçar macho, e que está no grupo do whatsapp da seleção da AL QAEDA sem ser convocado, como [“cheerleader e massagista” (olha que ridículo), afinal obviamente ele não foi convocado por ter marca para entrar], respondeu ao meu comentário no grupo da seleção expondo meu caso. Ele respondeu com sua refinada educação, dizendo um “foda-se” em caixa alta dizendo que “expulsamos mesmo pessoas que comentem atos de perseguição, não importa se são bons ou não, se ganham medalhas ou não, aqui não é o lugar para discutir isso, Hugo!!” [Não é o lugar porque ele sabe que o que estão fazendo comigo é errado e eu estou levando o caso para a AL QAEDA inteira]. Eu, com a minha refinada educação, apenas o calei dizendo “Eu ainda não fui julgado e eu tenho direito a defesa. E eu sou inocente. E aqui não é o lugar para dizer coisas como “foda-se”, por exemplo”. Eu também silenciei uma garota da ISIS que veio me criticar na conversa logo abaixo, mas isso pouco importa. O que importa, é a mensagem que passei para essa bicha oca por whatsapp, antes de bloqueá-lo para sempre:

Eu: Eu não poderia deixar de dizer o quanto é lamentável sua atitude. Não sei se você se considera assumidamente gay como eu, por mais que seu comportamento deixe isso indiscutivelmente claro. Além de assumidamente gay, eu sou ativista, e dou a cara pra bater na sociedade tanto quanto qualquer feminista. Agora você ficar contra mim e defender uma feminazi, é incompreensível. Você não se posiciona politicamente de acordo com a sua identidade e isso é muito decepcionante para todos nós homens gays, que deveríamos nos unir. Dessa vez a poeira não vai baixar, bicha oca. Nós nunca mais vamos ter uma relação nem de falar “oi” um para o outro, se por ventura um dia eu voltar para a equipe. Está na hora de você crescer um pouco e enxergar quem você é e o quê você é.

14. “11,89m”

Eu: Você está estudando?
QA: Sim
Eu: Então atrapalho. Mandei emoji de sorrisinho com beijo porque sou submisso e gosto de correr atrás de você. Afinal, você nunca me diz oi. Bons estudos, boa noite, durma bem. Bjokas
QA: Aaahhhh


I’m gonna make myself clean. I’m gonna keep myself clean. Hey you stupid boy. Won´t you never look at me? I’m gonna make myself clean.


I’m gonna miss you so bad.


You gonna leave for nothing.


Gonna leave, gonna leave, gonna leave for nothing.
You gonna leave for nothing…


Podem tirar minha medalha, mas minhas pernas não podem tirar. Há muitas coisas boas ainda por vir.

Elsewhere 1:

Hoje é um dos dias mais tristes da minha vida e amanhã começo em um novo emprego.

15. “Auge”

O homem prolonga o sofrimento. Eu tentei me colocar no lugar dele. Ao invés de me ignorar, agora ele me responde quando eu o chamo, assim como responde a qualquer um que o chama e ele não tem ciência alguma de que ele está me dando esperanças. Não é culpa dele, é minha. Tente não chama-lo nunca mais e ele nunca mais falará com você.

Além do coração, eu fui trabalhar com todos os ossos do corpo quebrados dentro da pele. O desejo de suicídio é grande. Ontem me aposentei do atletismo, me aposentei no auge da minha forma física, saí no auge, como se deve fazer. Não preciso mais brigar com aqueles adolescentes, questionar o golpe, não preciso mais do meu corpo perfeito se o homem que eu amo não me quer. Vou ir trabalhar e voltar para casa, para a cama, todos os dias, até eu aguentar.
Desde treze de abril que ele não me quer e eu fiz esse defunto levantar duas vezes até agora, a última foi há três dias.

A pior parte de levantar um Frankenstein é querer domestica-lo. Eu sou o garoto estúpido, não ele.

Pior ainda é que os alemães vendem lentes para microscópio. Trabalhando para eles, eu nunca vou me esquecer da última vez que vi o Antônio, quando ele me levou para o laboratório onde ele trabalha. Ele me mostrou células no microscópio. Fomos para a casa dele depois dormir juntos. Foi a última vez que fiz amor.

Meu primeiro dia no emprego novo foi como qualquer outro primeiro dia de emprego em qualquer lugar. Todos são legais, até que te demitem.

Era paixão o que eu sentia por aquela universidade, não era amor. Não vou voltar.


16. “Câncer 2”

Faltar ao emprego novo logo no segundo dia para ir ao hospital por causa do meu pé, tirou bem a preocupação em relação ao químico Antônio, em relação aos adolescentes golpistas, a aposentadoria do atletismo.
Ter medo de perder o emprego. E eu tinha até me esquecido: sabe o que é melhor do que ter um emprego? Faltar no emprego.
Ao invés de esconder o rosto com um boné penteei bem o cabelo para ir ao hospital, me arrumei.
Tive um sonho. Algo como aqueles homens-bomba que pensam que vão ter quando se explodirem, aquele monte de virgens. Sonhei com isso. Escolhi doze rapazes muito belos, muito gostosos, que convivo quase que diariamente (todos eles mais belos e mais gostosos do que o químico Antônio) e sonhei que em doze dias, cada um diferente viria passar uma noite comigo e que sabiam que estavam competindo um contra o outro, portanto tinham de se esforçar para me agradar bastante. No final, eu teoricamente escolheria um. O que eu preciso explodir para ter isso?

Minha aposentadoria do atletismo durou... Um dia. Sim, um dia. Só não vou treinar hoje porque estou com preguiça, mas amanhã estarei na pista depois do trabalho. Estarei fazendo o treino A de salto triplo depois do treino de contraste de musculação para pernas. Eu gostei da brincadeira de fazer o salto triplo da tábua de onze metros, sabe? Eu gostei de saber que já estou bem perto de superar os doze metros, sabe? E na verdade, estou obrando para a equipe de atletismo da ISIS e para a atlética da ISIS, não preciso deles para nada. E além do máster (onde pretendo ganhar três medalhas no campeonato estadual em agosto), posso me valer de “n” burocracias para continuar competindo.

Vou pedir para o Lucas. Um homão lindo de quase dois metros que mora no CRUSP guardar meu dardo para mim (Eu guardava o dardo na sede da atlética da ISIS, mas como rompi relações com eles, não tenho porque guarda-lo mais lá). Além disso, posso aproveitar e trepar com o Lucas, que é muito bom de cama. Quem sabe assim não me ajuda esquecer o químico Antônio, que já me convenci que obra para mim.

Elsewhere 1:
Fiz a inscrição do meu romance “Drag por drag” no prêmio “Programa nascente” da USP. A novidade? Ter de escolher trinta páginas do romance para mandar. Sim, o limite para romance é de trinta páginas segundo o edital. Não se deve mandar as trinta primeiras páginas ou “resumir” o romance. E sim, mandar trinta laudas que melhor “apresentem” o livro. Sim, os jurados estão com preguiça de ler os livros inteiros.


17. “Lítio”

O mês de maio está sendo muito longo, mais longo que os outros. Não posso afirmar se é por que estou escrevendo um diário de um mês, pois eu tenho a sensação que a vida em si é que está sendo muito longa.

Tenho mudado de ideia o tempo inteiro. Decerto é por causa dos remédios. Esqueci de tomar o antidepressivo ontem e liguei o hornet, me masturbei três vezes, mas por sorte não consegui nenhum encontro.

Desisti da minha aposentadoria do atletismo na noite passada. Coloquei minhas sapatilhas na mochila hoje de manhã. Desisti de novo durante o almoço. Talvez seja melhor raspar a cabeça como Sinead O’Connor, ficar mais cego, voltar para o lítio. Nem mesmo a música, que é a única coisa que não fiz na vida me motiva, porque está sendo difícil lidar com esse silêncio, o silêncio.

Cheguei cedo para trabalhar. Não me demitiram, me deram brinde, querem que eu aprenda rápido. É difícil esconder a tristeza, mas eu me esforço.

***

Decidi ir para a pista depois do trabalho. Estava bem frio e eu gosto do sofrimento. Eu sempre faço mais do que eu deveria fazer. Vou além do que deveria no treino. No final do treino, eu me sinto como a travesti Dandara jogada no chão, antes de ser colocada em um carrinho de mão, para então ser levada para uma viela e levar três tiros na cara.
Dói mais no coração do que no pé.
Hoje foi o último dia, não consigo mais.
Fernando, eu nunca mais vou ver a cara do Fernando.
O Daniel, sim o Daniel, que me olha como se quisesse me devorar. Por que sempre eu é que devo tomar iniciativa para tudo? Também nunca mais vou vê-lo.
Nem o Luiz, e ouvir o quanto é sexy o grito dele ao lançar o dardo. Pensei naquele mesmo grito com a imagem dele ejaculando. Sim, eu ainda sou bem sujo, igual a qualquer ser humano. Depois eu fui procurar sexo no prédio da faculdade de educação com aqueles veados feios. Sim, é a segunda vez que faço isso desde a última vez que vi o Antônio e sim, fui duas vezes ao bar gay das cabines também em tal período.

O que mais me preocupa em largar o atletismo não é a paixão, mais os seis músculos do meu abdômen que não quero perder. Eles ajudaram o químico Antônio a me cobiçar no hornet; e por consequência eles são responsáveis pela situação miserável que me encontro hoje. Ontem passei a ele um áudio de quarenta e seis segundos com a Billie Holiday cantando quase chorando cantando a canção “Fine and Mellow”. Ele nem ouviu o áudio. Falar comigo, tampouco.
Hoje, depois do treino, deixei para trás dois sofrimentos. Aquela pista de atletismo e aquele químico logo ao sair pela porta:
Eu: Nem ouviu meu áudio (emoji com a carinha triste)
Eu: Eu sou um bosta mesmo
Eu: Você está certíssimo
Eu: Vou parar de te encher
Eu: Tchau.
Ele nem sequer visualizou, deve estar jogando minhas mensagens fora sem ler.

Sem precisar de um homem, você também não precisa de seis músculos no seu abdômen.

Eu não acredito mais na felicidade.


18. “Cores”

Um encontro com a dor:

Agora conte cinco. Episódios de stress pós-traumático seguidos desde o último dezembro. O abandono do bruxo, prostituto barato, pobre, vulgar e inadimplente ex-namorado em dezembro (Stress superado). A demissão de um trabalho em março após apenas três meses do início, devido á incompetência e perseguição do meu gerente, uma bicha enrustida de extrema direita casada com uma mulher (stress superado). O frio abandono do químico, o que me apaixonei completamente; a cruel e injusta expulsão da equipe de atletismo do ISIS; minha aposentadoria do atletismo e da faculdade de letras (todos esses três ainda doem feito inferno). Não é uma dor no pé que vai me incomodar. 

Vir trabalhar é difícil. A hora do almoço demora muito para chegar. Eles me dão tarefas para fazer, mas. Tudo o que eu quero é ficar quieto e sozinho. Igual a Marina Lima em 1996.

Marina estava passando por problemas nas cordas vocais e sentia dor ao cantar, mas teve de entrar no estúdio para gravar um disco, para cumprir contrato com a gravadora. Tudo o que ela precisava era ficar quieta, mas ela teve de ir, teve de fazer.

Cores:

Logo hoje vesti azul. Uma camisa azul bonita com pequenas bolinhas brancas e um suéter listado de azul e branco, onde predominava o azul. Estou dentro de uma imensidão de cinza nessa manhã cinza, nessa cidade cinza. Eu não vejo os pontinhos azuis das mensagens lidas do Antônio desde terça-feira quando ele os desativou ou apenas passou a jogar fora minhas mensagens sem ler. Os pontinhos cinzas que ficaram nas minhas mensagens para ele não saem da minha cabeça.

Um desejo de concreto:

Acabo de decidir tirar uma semana de férias para cuidar do meu pé direito e do meu joelho esquerdo. Nada além de gelo e alongamentos. Terça-feira que vem volto a fazer fortalecimento e educativos de salto, apenas educativos. Só volto a saltar no dia 28. Só assim poderei competir bem em 04 de junho. Eu quero competir no campeonato paulista máster em agosto, quero subir naquele pódio de concreto da pista de atletismo do Ibirapuera três vezes, pegar minhas medalhas e ir pra casa dormir.
Não, comecei planos de prestar vestibular para economia no ano que vem para voltar a competir na esfera universitária, mas eu não tenho mais forças. Estou velho e cansado e decidi fazer apenas o que eu quero daqui pra frente. Apenas o trabalho para os alemães que é essencial, tenho de fazer, não tenho escolha. Sim, meu pai não vai ter o orgulho de ter um filho formado pela USP, e ele não merece aliás. Eu tinha decidido treinar apenas aos fins de semana para não ter que encontrar com os adolescentes, mas não vou conseguir competir indo para a pista apenas duas vezes na semana, preciso ir quatro. Se vou competir, quero competir bem. Eu só quero sentir as medalhas nas minhas mãos, isso não tem nada a ver com os meus seis músculos no abdômen. Nada.    

Durante a tarde, tive desejos de exibicionismo para essa noite e de fazer coisas sujas. Isso é assegurado pela bipolaridade mas. Aquém da questão da bipolaridade, tem a questão da reação natural de qualquer ser humano: quando você é tratado como merda, você age como merda.

It’s all over now, baby blue.


19. “Nasce um monstro”

As cores mudaram nessa manhã.
Lá fora ainda está cinza e mais que cinza, está chovendo e eu vesti preto da cabeça aos pés, por acaso. Por acaso, algo morreu.
You go back to cells. And I. Go. Back. To…
Ele voltou para a vida normal dele, uma vida feliz e uma vida sexual regular. Aliás, não voltou, sempre esteve.
Ele curtiu uma foto minha no facebook de terça-feira mas.
Os pontinhos azuis apareceram no meu celular na manhã de hoje.
Ele leu. E não respondeu.
Acabei de falar dele, mas Maurren Higa Maggi costumava dizer para a imprensa “eu não quero falar dele”, quando ela rompeu com o piloto de fórmula 1 Antonio Pizzonia. Ela teve uma filha dele. Eu decidi fazer o mesmo com o meu Antonio. Não, eu não tive uma criança dele. Não vou ter uma criança como uma forma física para me lembrar dele para sempre mas. Terei a mim. Eu sou a criança nesse caso, e eu vou ter que viver comigo mesmo para sempre.

Elsewhere 1#

Papai começou como pé esquerdo no trabalho, Lebedeva. Sim, cheguei atrasado duas horas e meia por dormir demais, mas ainda tive a sorte do meu gerente não ter sequer ido trabalhar por estar doente. A parte boa de começar com pé esquerdo é que o direito está machucado...

Elsewhere 2#

Vou para casa depois do trabalho para colocar gelo no meu pé, na minha coxa e no meu joelho. Depois vou fazer exercícios para o peitoral e ombros (Eram os planos quando eu estava no trabalho, de tarde).

Elsewhere 3#

Vou começar hoje o meu projeto para mandar para o evento da universidade do Piauí. O prazo termina no fim deste mês.

***

Não pensei que seis latas de cerveja na sexta-feira, depois de uma semana de trabalho me levassem a baixar outro app de encontros gays (eu tinha desinstalado o anterior justamente para me afastar de problemas). Sim, eu só queria um boquete enquanto bebia minhas cervejas, mas acabei em uma orgia com três caras porque eles tinham cocaína. Cocaína acaba, amizade acaba, sexo acaba. Voltei para casa e continuei no app ás três da manhã, porque eu ainda não tinha gozado e eu queria cheirar mais. Acabei por aceitar uma proposta em dinheiro de um homem mais velho porque sempre tive fetiche em me prostituir. Ele chegou em seu carro caro em meia hora e foi tudo muito rápido, ele ficou olhando eu me masturbar, me masturbou, me chupou bem rapidamente e logo já pediu para eu gozar. Gozei, ele gozou em seguida, me deu uma nota de cem reais e me deixou em casa, tudo isso não levou mais que dez minutos. Não, não usei o dinheiro para tentar comprar cocaína ou sair para comprar mais álcool, apenas guardei o dinheiro na carteira e fui para a cama dormir.


20. “A manutenção dos tendões”

Acordei gripado e com dor de cabeça, claro.
É só um banho, Hugo. Você vai gostar.
Tenho me esquecido de escovar os dentes, mas não tenho me esquecido de comer ainda.
Consegui tomar o banho.
Ao tomar o antigripal direitinho e permanecer quieto na cama, consegui melhorar.
Uma alegria simplória: fazia tempo que eu não tinha dinheiro para comprar um balde de oito pedaços de frango do Kentucky Fried Chicken e esse dia chegou.
Voltando do Kentucky Fried Chicken, além de me sentir grato por ter um dia equilibrado, ou seja, passei o dia inteiro triste, mas regularmente triste, sem intenção de sexo, sem intenção de falar com ninguém que tivesse essa intenção, sem álcool, sem diversão. Eu consultei a programação dos cinemas. Eu tinha dinheiro para ir, havia filmes interessantes em cartaz, mas eu não consegui sair de casa.
Ao percorrer a Rua Antonio Celso, com o meu balde de Kentucky Fried Chicken, eu me questionei se eu conseguiria ficar vivo até o fim deste mês para terminar este livro, que é um presente para meus poucos leitores e um tipo de trabalho que sempre quis fazer.
Vou ver o médico terça-feira.
Ao descer a Rua Loefgren em direção ao shelter que tem a palavra home na parede da sala de estar, eu pensei o quanto fui fútil e estúpido ao largar o lítio por pura vaidade, só porque ele encrespa meus cabelos e prejudica minha visão. Mas eu só estava preocupado com os cabelos quando parei de tomar, não com a visão. Eu poderia abrir mão da visão, mas nunca da beleza. Lembre-se dela, da garota, a minha garota, uma das protagonistas do meu romance inédito “Drag por drag”, a garota de 1,65m de ombros caídos que parece fraca, mas é forte como qualquer outra, e pode ser notada em qualquer multidão: a morte. Ao postar fotos no facebook da minha última competição de lançamento do dardo, descobri porque o tríceps chama tríceps. Na foto, durante o esforço ao lançar o dardo, deu pra perceber que há três músculos embaixo do bíceps, e esses músculos só aparecem com muito treino. É... No começo desse ano foram muitas semanas puxando oitenta quilos com a corda para trabalhar os tríceps. Eu lembro.
Sendo assim, vou pedir ao médico para tentar o valproato de sódio novamente para substituir o lítio. Vou dizer a ele que estou totalmente descontrolado, mudando de ideia muitas vezes e muito rápido em relação a muitas coisas: sobre abandonar ou não o atletismo, sobre ter uma vida sexual ou não ter e sobre estar vivo ou me suicidar.
Ainda descendo a Loefgren, com o balde de Kentucky Fried Chicken, eu pensei que talvez a ideia mais sensata no momento seria tirar um mês de férias do atletismo, para cuidar da minha cabeça e das minhas lesões no corpo; meu pé dói, meu joelho dói. Assim, com dois meses de treino até o campeonato paulista máster, não estarei na mesma forma de hoje, mas estarei em uma forma parecida, e é o suficiente para subir naquele pódio de concreto do Ibirapuera, já que faço tanta questão.
Hoje foi o dia da virada cultural em São Paulo. A Tiê tocaria no CCSP ás 01h00 do domingo, amanhã a Karina Buhr vai tocar lá ás 16h00; tudo de graça. Eu nunca vi um show da Tiê, eu nunca vi um show da Karina Buhr. Não importa que eu não tenha ninguém para ir comigo, eu sempre fiz as coisas sozinho. O problema é conseguir sair de casa para ir até lá.
Julia, por que você fez isso? Ao ver um vídeo no facebook da Julia dos Santos (atual líder do ranking brasileiro no salto em altura), fazendo um agachamento para desenvolvimento e manutenção dos tendões e ligamentos que eu nunca tinha visto (que parece difícil de fazer) eu decidi tentar fazer amanhã.


21. “Serei mau”

23h10 e eu por último, eu vou tocar a introdução de “Come as you are” do Nirvana no violão, para praticar. Vou começar a reler “Memórias póstumas de Brás cubas”, meu livro favorito. E vou alongar as pernas antes de dormir, claro.
Sim, eu fiz musculação para peito e ombros, fiz abdominais e o dorsal.
Alef, pobre Alef, passou o dia inteiro me passando umas 15 mensagens no whatsapp tentando entender por que sumi, e eu deletei todas elas sem ler. No descontrole da sexta-feira á noite, eu disse que queria come-lo, disse pra vir ao shelter, qie tem a palavra home na parede da sala de estar, desenvolvemos conversa. Sabe por que eu sumi e não vou te responder nunca mais? Porque eu sou um filho da puta igual a você e igual a todo mundo.

Não deu para ir ver a Karina Buhr. Ao tentar algumas vezes fazer o exercício da Julia dos Santos e perceber que realmente é difícil (mas tentando mais algumas vezes, eu consigo), fiquei ofegante e acabei perdendo a hora de sair de casa. Porém depois, mesmo com a chuva tive de sair de casa. Para comprar anti-inflamatórios, pomada para dor e compressas de gel. Para ir ao supermercado comprar sabão em pó, cereal com 42% de fibras, torradas e iogurtes. Mesmo com a chuva, há de se trabalhar a paciência. Enchi a máquina de lavar duas vezes hoje, um orgulho.

É difícil ganhar uma luta quando o juiz está contra você.
A atlética do ISIS criou em sua página no facebook o evento da assembleia para minha desvinculação dela. O texto de convocação já afirma que se trata de um caso de opressão de “um” atleta para com “uma” das atletas. Eu comentei no post dizendo brevemente a minha versão do caso e convocando as pessoas para aparecer, acompanhar a discussão e votar de acordo com o que acham justo. A atlética apagou meu comentário. É uma luta perdida. Mesmo assim passei um bom tempo informando os meninos do voleibol, que sempre tive boa relação, pessoas do atletismo que julgo mais sensatas e justas, informando sobre o que está acontecendo. Passei mensagens informando data e hora da assembleia, enviei minha carta de defesa para as pessoas se interarem do caso e pedi para que, mesmo se não pudessem estar presentes na assembleia, que enviassem um e-mail para o ISIS manifestando sua opinião. Fiz o que pude, embora creio que seja mesmo uma causa perdida. Um caso de perseguição e opressão á minha pessoa que estão tentando fazer parecer o contrário, só porque a autora das denúncias tem mais amigos do que eu. É assim que derrubam presidentes, por exemplo. A Dilma andava um tanto ermitã, não andava fazendo questão de ser amiguinha de ninguém. Deu no que deu.

Mais um dia sem álcool, sem cocaína e sem intenção. Mais um dia sem me humilhar.
Amanhã é dia de ir trabalhar, de fazer musculação para as pernas (caso não chova) e o treino A de lançamento do dardo (mesmo com chuva). Por falar em dardo, vou passar na atlética para buscar o meu. Obviamente não vou guarda-lo mais lá, não vou poder guarda-lo mais lá. Vou procurar outro lugar para deixa-lo; o mundo é grande, bem grande, bem maior do que o espaço aquário, bem maior do que o vão da geografia e da história com aqueles maconheiros retardados dentro, com aquelas feministas gordas ignorantes que não devem nem ter lido “O Segundo sexo” da Simone, que nunca devem ter ouvido falar de Angélica Freitas, com aquelas crianças. Quando você discute com crianças, se mistura com crianças, você se torna infantil.


22. “Uma lição de morte”

Não consigo entender como vim parar segurando as lágrimas enquanto fazia conciliações financeiras de processos de importações hoje de manhã. Sim, estou fazendo bem, sim cheguei cedo hoje e ao receber respostas das mensagens que mandei ontem e quase todas elas dizem que é muito tarde, que deveriam se interar do caso antes e que não podem me ajudar, eu me lembrei de quando te conheci em 2014. Como você era jovem, livre e belo, tão alto e belo. Seu sorriso, eu nunca esqueci seu sorriso, o quanto ele parecia com o sorriso de uma amiga lésbica que tive na minha primeira graduação, você sorria de uma forma tão fresca, sorria como um garoto. E o paralelo, o paralelo com todos os meus ex-namorados e o quanto eu sinto repulsa por cada um deles. Se você me ajudasse, doce garoto, ficando ao meu lado, me dando compreensão, afeição e principalmente seu sorriso, tudo poderia ser diferente hoje. O mundo não seria tão feio e tão triste.

Agora, tudo o que tenho é a duvida do que sou. Vendo as garotas com cabelos azuis na faculdade onde o pessoal do escritório vai almoçar e vendo á nós, vestidos tão formalmente e nós, tão bobos. E é por isso que eu fico sempre quieto. Se eu for estudar economia, será que serei aceito? Vou lidar com esse mesmo tipo de gente, só que um pouco mais rica? Talvez seja isso o que me põe na ideia conseguir alcançar 12,26 metros em três passos. E eu quero bem logo. E ainda tento a música. Você sabe cantar blues, Hugo? Prove. Cante “Help me” de Sonny Boy Williamson.
Eu: You gotta help me baby
Eu: I can´t do it all by myself
Eu: You gotta help me baby
Eu: I can´t do it all by myself
Eu: If you don’t help me daddy
Eu: I gotta find somebody else…
(Fico repetindo esses versos até dar um berro histérico no final)

Não, eu não posso desistir da faculdade de letras. Meus pais nem imaginam que já a larguei há muito tempo. Não esperava que minha mãe fosse me ligar ontem só para falar, falar. Tentei falar, mas ela não deixou, ficou repetindo que eu deveria terminar uma graduação para começar outra, mas eu sei. Eu sei que ela quer que eu me forme na USP para ir á formatura com um belo vestido, tirar um milhão de fotos e fazer minhas tias morrerem de inveja. Minha mãe não me ouve, ela não consegue ver que minha expectativa de vida é o oposto do que ela espera de mim. Ela não consegue ver que sou já mais que um adulto, sou quase um velho e ela ainda acha que não sou capaz de fazer minhas próprias escolhas, viver como quero, fazer o que quero. Acho que meus pais ganharam na loteria e não querem contar. Eu faria o mesmo. Eles ajudam a mim e a minha irmã o tempo todo e sempre dizem que estão quebrados, que não podem mais, mas minha mãe gaguejou quando perguntei onde ela estava no sábado, ela estava aproveitando um pacote de viagem que tinha já comprado há um tempo. Pensei que ela ia ligar para eu ir até a casa dela, que ia perguntar se preciso de algo, mas eu tive a sorte de conseguir dinheiro de um homem que pagou para ver eu me masturbando. Daí tive dinheiro para ir ao supermercado, para ir á farmácia.

Sim, um garoto com um sorriso como aquele. Faria com que o ISIS, aquelas feminazis gordas, aqueles golpistas, se varressem como Chernobyl, como Hiroshima.

Não, o dinheiro que paguei pelo meu dardo não compra o desgosto de ter que pisar na sede do ISIS pela última vez para busca-lo e ter de ver aquelas pessoinhas. Eu ainda tenho forças. Posso até comprar outro dardo.

***

23h52 e eu pude deduzir que a vida se reduz em trabalhar, cheirar, beber e se possível, evitar sexo, mas nunca em sonhar.
Durante as duas horas que passei na pista de atletismo da USP hoje, eu pude perceber que estou tão sozinho quanto a vida na terra, solitária na imensidão do espaço.
Ninguém mais fala comigo.
Não parece sensato permanecer onde não sou bem vindo. Nem, pela direita, nem pela esquerda. Nem pelos ricos, nem pelos pobres. Eu consegui essa proeza.
Ao pisar no centro de esportes a primeira coisa que eu vejo é ele dentro da gaiola de lançamento, o deus grego da FEA, que se acha melhor do que eu como pessoa e como atleta a ponto de rir de mim. Eu tenho provas. Eu tenho uma foto que mostra ele rindo de mim. Ele ri de mim além de eu ter lhe enviado uma solicitação de amizade no facebook que ele nunca aceitou, porque sabia que era uma intenção de flerte, não de amizade. E isso é realmente ridículo, é risível, um deus grego como aquele ter algo com um bosta como eu. O mundo é grande, bem grande, tem muitas coisas por aí para ele rir. Eu não serei mais uma delas.

O problema não é pisar no pódio sagrado do estádio de atletismo do Ibirapuera. O problema é o caminho que você tem que percorrer para chegar até lá. E o quanto isso representa: nada. Talvez isso só lhe dê a sensação amarga de que você não foi o atleta que deveria, que poderia ou não ter sido e que não tentou. Aquele pódio é para atletas de verdade, heróis de verdade, não para velhinhos brincando de atletismo como eu. E essa brincadeira tem me custado caro. E não tem graça nenhuma.

Li dois capítulos hoje de “Memórias póstumas...”. Realmente o Machado é foda, puta que o pariu... Mas releia o livro dez vezes pelos motivos certos. Você só vai encontrar mais infelicidade e frustração no curso de economia. Eu sei, e já desisti.

Como eu já comentei por aqui, eu tenho uma expectativa de vida de mais uns dois anos e ao pensar que eu não sei o que fazer, o mais sensato é não fazer nada.


23. “Chupada da vida”

Foi ontem de noite quando eu estava debaixo da terra, no metrô, vindo para o shelter que tem a palavra home na parede da sala de estar, que tomei a decisão. Despejei todas as tralhas esportivas no chão como se minha mochila vomitava. Elas ficaram espalhadas no chão até agora, como a garrafa de cerveja que a minha gata derrubou no chão há três dias, em pedaços na varanda. Isso me faz lembrar uma entrevista da Dolores O’Riordan para a revista de música Showbizz , o repórter contou que ela derrubou uma garrafa de champagne no carpete do hotel e ficou completamente indiferente com a garrafa no chão derramando, assim como a minha indiferença com as tralhas esportivas.
Por isso hoje acordei tão tarde. Era como se eu estivesse acordando de um pesadelo e nele eu estava em um ato, em cima do palco e todos na plateia riam de mim. Era como se eu acreditasse ser algo que eu não era, fazia algo que não estava de fato fazendo, sonhando acordado. Agora tudo está acabado, eu esqueci de fazer ontem de noite, mas essa noite não vou – Pegar os pedaços de metal pobre que ganhei na USP, que ficavam em cima do meu rádio, que fica em cima da minha mesa (para eu ficar olhando para elas e ter motivação para querer ganhar mais), e coloca-las dentro do armário, em uma lata, junto com os outros pedaços de metal pobre que eu ganhei na Fatec. Colocar em um armário e deixar tudo guardado no escuro para tentar esconder o passado, junto com roupa velha. Esses pedaços de metal pobre; nunca soube explicar por que eles significavam tanto para mim.
Agora saia do trabalho, vá beber á isso.
Vá pegar uns garotos, provar carne e proteína deles.
Fui confundido com um estagiário hoje no trabalho.
Vá lá usar sua cara jovem de Dracula para pegá-los.
Pegar os garotos.
Os garotos, os garotos, os garotos.
“Chupada da vida”
Ele
Eu lembro o que ele disse de mim
O último amor da minha vida.


24.

Fluxo 1:

Everything under my skin is red and I start to see it.
Or
Tudo debaixo da minha pele é vermelho, e começo a vê-lo.


25.

Fluxo 2:

Chronic: after more than 40 punches I stayed stand. I could have faked and fell but I stayed there trying. After that my fat coach turned his back to me because I failed. I shouldn’t have. I should have just accepted that I wasn’t prepared.
Or
Crônica: depois de mais de 40 socos eu fiquei de pé. Eu poderia ter fingido e caído, mas eu fiquei lá tentando. Depois disso meu treinador gordo virou as costas para mim por ter falhado. Eu não deveria. Eu deveria apenas ter aceitado que eu não estava preparado.

Fluxo 3:

When you talk to the dead do they ever respond? They give you airs of pneumonia in your spine.
Or
Quando você fala com os mortos, eles alguma vez respondem? Eles te dão ares de pneumonia na sua espinha.


 26.


Se você não puxar o tigre pelo dedo, ele não te morde.


27.

“Psicotrópico”

É assim mesmo quando
Tu trocas
Tu choras,
Choras atrás do piano

Ao invés de dormir,
É melhor dormir
Com gelo na perna

Difícil,
É difícil
Fácil é criar poemas.

(Hugo Guimarães)


28.

[Sorrindo de tifo secretamente dentro de um cercado (quando há um futuro tão perto de você do lado de fora). Não, não chore de tifo dentro de um cercado, Hugo]. O seu coração, de colisões, fraturas, explosões, tomou forma de uma coisa vermelha tão feia, tão asquerosa, porém já tão seca; tanto sangue seco (Tente imaginar um dos pedaços grandes e disformes de frango do Kentucky Fried Chicken só que feitos de sangue ao invés dos temperos secretos e do frango) que você já sabe que qualquer trauma não dura mais que dois meses. Daqui a um mês, dois meses, vá viajar para comemorar; vá tirar selfies em frente á casa rosada.


29.

E aí, vai colocar essa coleira na mochila de novo como se fosse um terço?
Vai manter essa coleira na mochila como se fosse um terço?
Até quando vai manter essa coleira na mochila como se fosse um terço?

***

Sonhei com você na noite passada e sonhei que você era bom (bom de bondade). E eu tenho um método, um método pessoal para interpretar sonhos.

***

Vim trabalhar e vesti negro a não ser a gola da camisa aparecendo debaixo do suéter, a gola vermelho sangue. Uma manhã ensolarada para um pedaço de lixo como eu, assim como minha autodescrição em um poema que escrevi não tanto tempo atrás.

***

19h30. Três dias de tratamento com risperidona+clonazepam+nada. E não tenho vontade de matar ninguém nem de me matar por ninguém. Está acontecendo um efeito placebo aqui ou é impressão? venlafaxina+clonazepam-lítio=mania: eu devia ter raciocinado isso antes, fui burro. Burro ao ser meu próprio psiquiatra por sete meses.
Está tudo bem. Não precisa pânico. Tudo bem você perder seu treino de musculação de superiores para ir gozar, para ir á livraria que há tempos você não ia. É só reajustar a planilha de treino, vai ficar tudo bem.
Um orgasmo de porco. Tive outro orgasmo de porco hoje. Ou seja, um orgasmo bem longo que não sai de uma vez com alguns espirros, mas fica transbordando aos poucos do pênis e a sensação de orgasmo continua a mesma, por muito mais tempo. Já é a segunda ou terceira vez que acontece comigo.
Um orgasmo de porco. Sabe-se que agora, não é só exclusividade de uma mulher a sensação de gozar como um porco. Os homens também podem.


30.

Ferir. O dardo deve ferir o solo.


31. “Morte”

Como um autêntico bipolar, eu voltei a treinar atletismo um dia após anunciar minha aposentadoria.
Sob desespero, sem tomar remédios para dormir certa noite, eu passei uma mensagem a ele.
Ele.
Desespero.
Daí, decidi me tornar viúvo, e um viúvo alegre.
Quando eu parei de tomar antidepressivos, eu me tornei feliz.
O deus grego da faculdade de economia me dirigiu a palavra pela primeira vez, e ele é gentil.
O alto e belíssimo lançador de dardo da escola politécnica me dirigiu a palavra pela primeira vez, e ele é gentil. Treinamos juntos pela primeira vez e é bom treinar com um atleta melhor do que eu; é bom para o meu treino.

Fui até a sede do ISIS para buscar meu dardo e tive uma boa ideia de onde passar a guarda-lo, mas eu não posso te contar.
Decidi respeitar a memória do meu finado marido, que não pude manter vivo, fui incapaz de mantê-lo vivo. Respeitar guardando meu corpo só para mim mas. Deve passar, deve. O amor pelo bruxo, vulgar, pobre e infantil louro falso passou mais rápido do que eu esperava. Doeu, mas passou. Hoje, não posso dizer que o acho desprezível, o que eu acho dele seria a tradução da palavra inglesa “disgusting”.
Tempo, tempo, tempo: forte como a garota, a morte; mau como a velha, a vida.

Após meses, parei de me automedicar e fui a um psiquiatra. O homem disse “o que você acha que está fazendo aqui?”, eu disse “não faço ideia”. Brincadeira. Ele achou melhor tentar a risperidona de novo e pelo amor, vá fazer a terapia, bebê; dê essa chance a você mesmo. Curiosamente, ao reler a bula da risperidona, vi que ela trata exatamente todos os transtornos que tenho tido.  

***

Eu não quero falar sobre o medo que tenho de perder o emprego.

Eu ganhei a aposta. Eu ganhei o doce. Não tive nenhum dia feliz no mês de maio. Eu gosto de palha italiana, de Haagen dasz de chocolate belga e de Milka triolade. O vilão desse livro não é o químico Antonio. O vilão sou eu e minha alma miserável.

XOXO

“Maydays”

© Hugo Guimarães, 2017

Literatura brasileira. Crônica Brasileira.

Foto da capa e fotos internas: Hugo Guimarães

Capa: Hugo Guimarães e Mateus Oazem